quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Deambulações londrinas II






Durante a nossa estadia em Londres, ficámos muito bem instaladas em casa da Evelyn, em Primrose Hill, um charmoso bairro residencial a norte de Londres. Logo de manhã, já com o pequeno-almoço tomado, calcorreávamos as ruas do bairro, usufruindo do pitoresco desenho urbano que nos remete para uma vilazinha do interior. As casas com história, de fachada vitoriana pintada de azul, amarelo e rosa, com placas a indicar que ali viveram Sylvia Plath, W.B. Yeats ou Engels, os elegantes cafés e esplanadas, a biblioteca de bairro, a livraria histórica, os pubs, as tradicionais cabines telefónicas vermelhas fazem desta “urban village” um lugar especial.



O parque de Primrose Hill era um dos nossos locais de eleição. Não conseguíamos resistir ao apelo das extensas áreas de relva e das árvores seculares. O nome Primrose deve-se à grande quantidade de prímulas que existiam no parque no século XVI. Localizado sobre uma colina, tivemos de superar uma longa subida íngreme para desfrutar de uma vista lindíssima sobre a cidade e avistar alguns ícones de Londres, como a London Eye e a BT Tower. No topo da colina, deparámo-nos com um poema de William Blake que descreve muito bem o que sentimos na altura: “I have conversed with the spiritual sun. I saw him on Primrose Hill” (Conversei com o sol espiritual. Vi-o em Primrose Hill). Mesmo ofegantes, fomos imediatamente contagiadas pelo misticismo de William Blake. Primrose Hill é um lugar para sentir!



2 comentários:

  1. Confesso que ainda não conheço esta zona, mas fiquei com vontade de conhecer. Davas para guia turística!
    Joaquim

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada:) Quando apreciamos os lugares que visitamos, o nosso entusiasmo é contagiante.

      Eliminar