quinta-feira, 23 de julho de 2015

As mãos pressentem






 
As mãos pressentem 

As mãos pressentem a leveza rubra do lume
repetem gestos semelhantes a corolas de flores
voos de pássaro ferido no marulho da alba
ou ficam assim azuis queimadas pela secular idade desta luz encalhada como um barco nos confins do olhar 

ergues de novo as cansadas e sábias mãos
tocas o vazio de muitos dias sem desejo e
o amargor húmido das noites e tanta ignorância
tanto ouro sonhado sobre a pele tanta treva
quase nada
 

Al Berto



14 comentários:

  1. Magnifica partilha MS.
    Deixo um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É maravilhoso, não é?

      Um beijinho, Sandra :)

      Eliminar
  2. (...)
    "fotografo as sombras das plantas e a sombra da mão esquerda, aquela que não aprendeu a escrever. fotografo a sombra da mão porque me é impossível fotografar a sombra do mar. fotografo rostos porque não consigo fotografar o vazio que me enche."
    (...)
    Al Berto

    Obrigada por me fazer regressar a Al Berto.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Tudo vem ao chamamento. Penso mar, e o mar enche-me a alma e as mãos. Balbucio cal, e na pele do tempo cresce uma casa onde não viverei, ergue-se uma cidade de melancolia na incerteza dos punhos, e nela nos ferimos.
      Digo sol, e quase cego consigo tocar-lhe. Só por ti clamo, e não te acendes, nem regressas, e me queimas.”
      Al Berto

      Faz falta regressar a Al Berto.

      Um beijinho, Teresa :)

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Obrigada, Elisabete, e seja bem-vinda.

      Um beijinho :)

      Eliminar
  4. Al Berto, um poeta angustiado, as suas poesias são quase sempre reflexões sobre si próprio, sobre a morte, a solidão como é o caso desta.
    Tal como ele também vivi em Sines, uma terra que não o esqueceu.
    Um foto magnífica !

    Um beijinho com carinho querida Miss Smile



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade que há muita angústia na sua poesia. No entanto, as suas reflexões são também sobre todos nós, sobre a nossa condição humana. Estamos todos ligados por um fio invisível.

      Um beijinho, também com muito carinho, querida Fê

      Eliminar
  5. Já somos duas :)

    Um beijinho, GM

    ResponderEliminar
  6. Muito lindo o poema e a imagem:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto muito. Por vezes, leio-o em voz alta, como se me apropriasse de cada palavra e saboreasse melhor o seu sentido.

      Um beijinho, Isabel

      Eliminar
  7. e ao anoitecer adquires nome de ilha ou de vulcão
    deixas viver sobre a pele uma criança de lume
    e na fria lava da noite ensinas ao corpo
    a paciência o amor o abandono das palavras
    o silêncio
    e a difícil arte da melancolia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Desconcertante é que tão grande tristeza caiba dentro de tão pequeno peito.
      Às vezes morre-se tanto, e tão cedo."

      Um beijinho, flor

      Eliminar