segunda-feira, 20 de julho de 2015

O amor explicado pela minha avó




Alex Howitt

Quando me queria explicar o que era o amor, a minha avó contava sempre a mesma história. Tinha uma prima que casara com um professor. Ele, um rapaz de olhos contemplativos e mãos inquietas, tinha uma grande paixão pela música. Nas horas vagas, sentava-se em frente ao piano e tocava Chopin, enchendo a casa de esperança. Gostava muito de Chopin. De pálpebras fechadas, sentia que, no som do piano, cabia tudo o que sempre quisera ser. Sentia-se claro, puro e simples. Dizia que era a música de Chopin que o deixava assim, de alma liberta. A prima da minha avó comprazia-se a ouvi-lo tocar. Sentava-se na beira do sofá da sala e, de pano da louça ou molas da roupa na mão, dependendo da tarefa que interrompia para vir ouvir o marido, fechava os olhos e deixava-se embalar por aquele som aveludado. Outras vezes, não conseguia despregar os olhos daquele conjunto. Ele e o piano, um só instrumento, perfeito. Contemplava, maravilhada, como as suas mãos esboçavam bailados e dedilhavam poesia. Os dedos, cinco pássaros pousados em cada mão, em suave adejar, mal tocavam o ébano e o marfim. As notas suaves espalhavam-se pela casa e punham o mundo a flutuar em paz. Ele vivia para o seu piano e, embora amasse a mulher, dava por si a perguntar qual seria, na verdade, a sua maior paixão? É certo que o amor, tal como a música, expressava o inexprimível que se ouvia no silêncio e transformava as coisas em beleza viva. Mas quando se sentava ao piano, sentia que tocava todas as estrelas do céu. Os anos foram passando, benévolos e serenos. Numa manhã de domingo, sentindo-se de espírito iluminado, tocou de uma só vez várias peças de Chopin. Quando terminou, exausto, despertou do seu transe e viu a mulher sentada na beira do sofá, limpando, com o avental, as lágrimas que escorriam em cascata. Sobressaltado, perguntou-lhe o que se passava. Ela demorou algum tempo a responder. Há muito que lhe queria contar, mas não conseguira reunir coragem para o fazer. Por fim, disse-lhe com uma voz trémula, entrecortada por soluços, que estava a perder a audição de forma irreversível. Ele levantou-se de um salto e fechou a tampa do piano. A partir desse dia, nunca mais voltou a tocar.


24 comentários:

  1. Querida Miss Smile,
    Que bela história de amor.
    Bom dia,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido Outro Ente, é realmente uma história de amor muito inspiradora que a minha avó não se cansava de nos contar, a mim e às minhas primas.

      Um bom dia para si também :)

      Eliminar
  2. Um amor maior.

    Beijos, Miss Smile, e um dia feliz. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um amor sublime.

      Um beijinho, Maria, e um dia feliz :)

      Eliminar
  3. Um amor e tanto

    Beijinhos Miss Smile

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bonito e inspirador. No dia em que ela lhe revelou a doença, ele descobriu qual era, afinal, a sua maior paixão.

      Um beijinho, Maria e um dia feliz :)

      Eliminar
  4. Miss Smile, fui a correr ouvir Chopin; nunca se sabe o que acaba primeiro...

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Não se acende hoje a luz…Todo o luar
      Fique lá fora. Bem Aparecidas
      As estrelas miudinhas, dando no ar
      As voltas dum cordão de margaridas!

      Entram falenas meio entontecidas…
      Lusco-fusco…um morcego a palpitar
      Passa…torna a passar…torna a passar…
      As coisas têm o ar de adormecidas…

      Mansinho…Roça os dedos pelo teclado,
      No vago arfar que tudo alteia e doira,
      Alma, Sacrário de Almas, meu Amado!

      E, enquanto o piano a doce queixa exala,
      Divina e triste, a grande sombra loira
      Vem para mim da escuridão da sala…"
      Florbela Espanca

      :)
      A música não acaba nunca, porque, a partir de uma determinada altura, ela começa a brotar dentro de nós. Veja o caso de Beethoven. Quanto à prima da minha avó e ao marido, tenho a certeza que continuaram a ouvir música até ao fim da sua vida.

      Um beijinho e um dia feliz :)

      Eliminar
    2. Miss Smile, eu referia-me ao amor e à audição :)

      Lindo poema com que premiou a minha aflição!
      Um beijinho

      Eliminar
    3. Oh, desculpe, agora percebo-a :))
      Assim sendo, não a empato mais e vá ouvir Chopin :)

      Beijinho

      Eliminar
  5. Miss Smile,

    Fiquei rendida!
    Beijinho,
    Mia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rendida fiquei eu também quando ouvi esta história :)

      Um beijinho e um dia feliz :)

      Eliminar
  6. E que Amor, este!
    Fico embevecida, como sempre, com estas suas histórias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um Amor com maiúscula!

      Um beijinho de boa noite :)

      Eliminar
  7. Que lindo!
    Enternecedor, fantástico.
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta história ensina-nos muito sobre o amor e sobre as concessões e cedências que fazemos pelo outro.

      Um beijinho de boa noite :)

      Eliminar
  8. Um amor que perdura até ao infinito apesar de todas as privações... lindo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O amor é o que vai ficando quando se começa a perder tudo...

      Um beijinho de boa noite :)

      Eliminar
  9. Enternecedora maneira de explicar o amor, esse sublime sentimento de outrora.

    ResponderEliminar
  10. Enternecedora e eficaz. Nunca me esqueci desta história!

    Um beijinho de boa noite :)

    ResponderEliminar
  11. .... Uma grande definição e prova de amor! :)
    Boas leituras! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma grande prova mesmo.

      Um beijinho e boas leituras :)

      Eliminar
  12. É uma bonita história :) ...de amor!

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  13. Muito inspiradora :)

    Um beijinho, Isabel

    ResponderEliminar