domingo, 27 de setembro de 2015

Alguns pensam que são as mãos de deus — eu sei que são as mãos de um homem*



J. S. Bach tinha uma curiosidade musical quase insaciável. Contudo, acreditava que o mais importante era o trabalho. Estava perfeitamente convencido que qualquer pessoa poderia fazer o mesmo, desde que trabalhasse tão arduamente quanto ele. Quando alguém lhe pedia uma peça, Bach escolhia um tema fácil, mas, à medida que ia trabalhando, deixava-se levar pela imaginação ou encontrava algo tão importante que a peça acabava por se tornar mais difícil de executar. Quando alguém reclamava, Bach sorria e dizia: “Trabalhe-a diligentemente, e tudo correrá bem; tem em cada mão cinco dedos tão saudáveis como os meus”.

* Do poema “Coração Habitado” de Eugénio de Andrade







4 comentários:

  1. É preciso ter inspiração e engenho para fazer uma obra de arte mas nunca será excepcional sem muito trabalho.

    Beijos, Miss Smile, e uma boa noite. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O trabalho é fundamental, mas penso que, por vezes, não é suficiente. Bach, no entanto, como todos os génios, acreditava que sim.

      Um beijinho, Maria, e uma boa noite :)

      Eliminar
  2. Aqui estão as mãos.
    São os mais belos sinais da terra.
    Os anjos nascem aqui:
    frescos, matinais, quase de orvalho,
    de coração alegre e povoado….

    Que bela recordação me trouxe…
    Bjs e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (..)
      Alguns pensam que são as mãos de deus
      — eu sei que são as mãos de um homem,
      trémulas barcaças onde a água,
      a tristeza e as quatro estações
      penetram, indiferentemente.
      (...)
      Um beijinho, M. Campos, e uma boa semana

      Eliminar