sábado, 24 de outubro de 2015

Olha, é outono



Uma vez um homem encontrou duas folhas e entrou em casa segurando-as com os braços esticados dizendo aos pais que era uma árvore. Ao que eles disseram então vai para o pátio e não cresças na sala pois as tuas raízes podem estragar a carpete. Ele disse eu estava a brincar não sou uma árvore e deixou cair as folhas. Mas os pais disseram olha é Outono.

Russell Edson, O Túnel


16 comentários:

  1. Bom dia, Miss Smile,
    Que o Outono se cumpra sempre, como tempo que nos é devido.
    Bom fim de semana.
    Um beijinho,
    Mia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que o outono se cumpra e que nós consigamos fazer o mesmo. Que nada fique sempre igual.

      Um beijinho, Mia, e um bom domingo :)

      SIMETRIA
      “Havia um homem que se sentia atraído por contrabaixos
      porque lhe faziam lembrar mulheres nuas com peitos
      envernizados.
      Têm o tipo de ancas, dizia, que levam os homens
      à loucura.”
      (…)

      Eliminar
  2. Bom dia , Miss Smile. Pensei que fosse o único a gostar de Russel Edson e toda a descoordenação que a sua poesia provoca em quem o lê.
    http://aelasticidadedotempo.blogspot.pt/2013/09/e-oficial.html

    Muito bom, mesmo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, JM, não é o único :)
      Gosto do desconcerto que a poesia de Russel Edson me provoca e dos desfechos absurdos dos seus poemas que nos remetem sempre para o absurdo do mundo e da vida.

      Um abraço, JM, e um bom domingo :)

      “Obviamente que não se importava que, por razões de
      simetria, as mulheres lhe fizessem lembrar contrabaixos nus.
      Delas dizia, também têm o tipo de ancas que levam
      os homens à loucura. “
      (…)

      Eliminar
    2. DORMIR
      " Havia um homem que não sabia dormir; a cabecear a noite
      após noite em durecção a um sono insipido e amador.
      Um sono quer já se cansara de dormir.
      tentou ler o manual do sono, mas acabou por adormecer.
      Esse mesmo sono que já se cansara de dormir...

      Precisava de um mestre do sono que, de cadeira e chicote, disciplinasse a noite e a fizesse saltar através de arcos
      de gasolina em chama. Alguém capaz de fazer um tigre
      sentar-se num pequeno pedestal e bocejar..."

      Russel Edson , Espelho atormentado Pag.71

      Do Túnel, sem dúvida o " Livro em Branco"
      " o livro estava em branco, todas as palavras tinham caído.
      O marido disse-lhe, o livro está em branco.
      A mulher disse, aconteceu-me uma coisa estranha a caminho do momento actual. Eu estava a sacudir o livro, para eliminar todas as gralhas, e de súbito todas as palavras e a pontuação também caíram. Talvez todo o livro fosse uma gralha?
      (...)

      Outro abraço, Miss Smile

      Eliminar
    3. Excelente escolha! O "Livro em Branco" é esmagador, atordoante, absolutamente surpreendente e desconcertante.

      Muito bom :)

      Eliminar
  3. Este senhor tem um humor muito particular, que me agrada imenso.
    Belíssima partilha, doce Miss Smile:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem um humor absolutamente desconcertante, com uma dimensão simultaneamente trágica. Este poema sobre o outono reflete a ausência, a impossibilidade da comunicação.

      Um beijinho, doce Sandra, e um bom domingo :)

      “Uma vez pediu a uma mulher para ser o instrumento da
      sua música.
      Ela respondeu, está a brincar, por quem me toma, algum
      contrabaixo?…”

      Russel Edson, O Espelho atormentado

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Para si, um fim de semana dourado de outono.

      Um beijinho, Isabel, e um bom domingo :)

      O CESTO DE FRUTA
      “Havia um homem cujo estado mental tinha apodrecido…
      Bem, pensar não é tudo, pensou, há a rotação
      de polegares, que pode muito bem ter sido uma arte nobre
      nalguma cultura da antiguidade. Há o estalar dos dedos, que
      pode ter sido parte da música da antiguidade também.”
      (…)

      Eliminar
  5. "deixa a árvore das cassiopeias cobri-te
    e as loucas aveias que o ácido enferrujou
    erguerem-se na vertigem do voo - deixa
    que o outono traga os pássaros e as abelhas
    para pernoitarem na doçura
    do teu breve coração - ouve-me"
    AL Berto/ recado

    ouve-me, porque hoje te deixo
    uma baga vermelha no parapeito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tão belo, Teresa. Mais uma baga sumarenta que me deixas no coração. Um beijinho e um bom domingo :)

      P.S.: Ainda bem que M. Hilárió ("M" de Manuel e de Monsieur) não passou por esta constelação, porque senão já tinha deitado olho ao para(peito) e rabiscado a baga :)

      “Criar um círculo com um dedo apontado e o polegar
      diz-nos coisas sobre o entusiasmo; a forma da terra.”
      (…)

      Eliminar
  6. Eu gostei muito desta metáfora. Achei mesmo bonito.

    Bom fim de semana.
    Bjnhs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desconcerta-nos e encanta-nos.

      Um beijinho, mz, e um bom domingo :)

      “Ainda assim, o seu estado mental tinha apodrecido como
      uma coisa deixada demasiado tempo num cesto de fruta
      feito de osso…”

      Russel Edson, O Espelho atormentado

      Eliminar
  7. Com a idade, passei a apreciar as belezas do Outono... É que o Outono é mesmo lindo!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também gosto cada vez mais do outono. É como diz, vai-se aprendendo a gostar e a apreciar.

      Um beijinho, Graça, e um bom resto de domingo :)

      Eliminar