segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Uma nuvem de borboletas a subir



Nestes últimos dias, tenho-me convencido que a dor está apenas na minha cabeça, que o meu coração está bem, fresco e leve, a adejar como um pássaro. Quando amanhece, afasto o édredon enrolado e o que resta de um sonho de que não lembro mais. Avanço para a janela e encosto a face ao vidro frio. Vejo nuvens de chuva empoleiradas sobre o oceano picado e imagino que a minha tristeza está no fundo do mar. Gosto de ver o dia a estrear-se, silencioso e imaculado, como uma página em branco, a estender-se à minha frente. É nesse momento que prometo a mim mesma que vou ter um dia bom. É um presente que me dou. Toma lá, este dia é para ti. Ofereço-to. Não sei se é por algum desejo oculto dentro de mim, se pela minha própria vontade, mas todos os dias teço pequenas esperanças, finas teias de aranha com gotas de água que brilham ao sol. O sorriso dos meus filhos [tão, tão lindos]. As rugas prateadas dos meus pais [os corações que são da mesma família]. A voz do meu amor [ai. E as mãos…]. Os livros que leio [tenho algum pudor em falar deles]. O meu trabalho [que prazer que me dá fazer as coisas bem feitas]. Cozinhar [a consolação da alquimia]. O desporto [adoro sentir dores musculares]. Aprender [filosofia, biologia, fazer mergulho…]. Tanta, tanta coisa que não sei e que quero aprender. O voluntariado [recebo tanto, tanto]. O riso partilhado com os amigos [que solta os nós do coração].
Há muito que deixei de medir forças com a vida. Aprendi que não vale a pena lutar contra ela. A vida é uma sombra que se cola a nós. Não é perfeita, mas é nossa. Se a seduzirmos, ela abre-se de par em par, como um abraço acolhedor. É preciso desejá-la com toda a nossa alma. Eu estimo muito a minha. Mesmo quando tropeço nela, porque não se coaduna com aquilo que sonhei para mim, não a maltrato. Não ando com pedras guardadas no coração. Era nisto que pensava esta manhã, quando coloquei a tigela de flocos de aveia com um pouco de água no micro-ondas e fiquei a ver o seu lento rodopio, como as vidas apanhadas pela roda de certos acontecimentos.
Gostava que os meus olhos continuassem jovens, mesmo nos dias de nevoeiro mais cerrado. Como os do meu avô. Quando recolhia os favos de mel das colmeias do jardim, no seu engraçado fato de astronauta, eu perguntava-lhe se não tinha medo de ser picado pelas abelhas. Ele respondia-me, com um sorriso amável por ter crescido com pouco, que, por baixo do enxame de abelhas iradas, estava o mel. Conseguir entrever o mel oculto nas coisas, é um enorme desafio. Por isso, acredito que a magia está no coração. O mundo tem muitas margens e a realidade é aquilo que quisermos ver. Não se trata de alienação. É apenas uma questão de acreditar que, ao mesmo tempo que as folhas das árvores caem, há uma nuvem de borboletas a subir. A vida é para se guardar num estojo de veludo azul, o mesmo onde se guarda as bonitas pérolas das ostras que não foram felizes. Há dias em que não me restam sorrisos. Nem lágrimas. Mas, mesmo nesses dias, endireito as costas, encho-me de persuasão e procuro um novo nome para o meu desejo.


39 comentários:

  1. Que bonito texto, Miss Smile. Apesar de tantos revezes nota-se uma grande força para ir sempre em frente. Cada dia renasce uma esperança. As folhas caem mas servirão de alimento à árvore.Um grande abraço e seja feliz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O fim é sempre o princípio de uma outra coisa.

      Um abraço, Benó

      Eliminar
  2. Não vou dissertar sobre o texto, a sua qualidade fala por si.
    É muito reconfortante lê-la, Miss Smile.

    Desejo-lhe uma boa semana, em que cada dia seja uma renovada oferta. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A escrita serve-me tantas vezes de conforto…

      Uma bom fim de semana, AC

      Eliminar
    2. Então há que investir na escrita, Miss Smile. É que, para além de se confortar, também conforta os seus leitores.

      Um beijinho :)

      Eliminar
    3. Tivesse eu mais tempo...

      Um beijinho e obrigada :)

      Eliminar
  3. Pela primeira vez não consigo enxergar a mensagem que se esconde por detrás deste texto, que me arrepiou, querida Miss Smile.

    Se se encontra com tanto amor na sua vida, através do sorriso dos seus filhos, no rosto dos seus pais, nas mãos e na voz do seu Amor, nos livros que lê, no trabalho que faz e no voluntariado tão gratificante, então, o que lhe falta para que essa angústia a liberte?
    Não preciso de resposta, minha querida amiga, talvez, eu consiga descobrir, por mim, que desejo é esse que a consome.

    Tenho sentido tanto a sua falta...

    Um beijinho, querida Miss Smile. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A inquietude faz parte da natureza humana. Mas há também motivos concretos para o que sinto. Um deles diz respeito ao post anterior. Do outro, não quero nem posso falar. No entanto, todos os dias tento dar o meu melhor e agradecer as coisas maravilhosas que a vida me tem dado.

      Um beijinho, querida Janita :)

      Eliminar
  4. Gosto tanto de ler as maravilhas que escreves,
    querida amiga!
    Dias cheios de sorrisos e imensamente felizes.
    Sinto-me bem quando comento... é como falasse
    com uma vizinha amorosa.
    ~~~ Terno abraço ~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E somos vizinhas, neste condomínio que é a blogosfera. Visitamo-nos regularmente e, em vez de sal, salsa ou uma cebola, trocamos palavras amigas. E isso é bom, não é? :)

      Um abraço, querida Majo

      Eliminar
  5. Você escreve prosa com a alma dos poetas.
    E dá gosto ler.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, muito obrigada, Pedro. Sempre um gentleman :)

      Um beijinho

      Eliminar
  6. É preciso aceitar a tristeza também, ela também faz parte da vida, às vezes até ajuda a ver melhor. Não a podemos é deixar morar em permanência. Abraço
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida. A tristeza está costurada à alegria e nem sempre conseguimos ou queremos virá-la do avesso. Ela é necessária, traz-nos clarividência.

      Um abraço, CC

      Eliminar
  7. que maravilha, Miss Smile.
    que lição de vida e que orgulho por fazer parte dos que a lêem.

    um beijo admirado e agradecido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Laura, essa da lição de vida assustou-me um pouco :) Não sei se se pode considerar uma lição, aliás, nem pretendo que o seja. Trata-se apenas de uma partilha, e o que resulta comigo pode não resultar com outras pessoas. Mas agradeço muito o carinho das suas palavras e retribuo-as com um beijo repenicado :)

      Eliminar
  8. Oh Miss Smile, que lindo. :)

    Eu sinto-me em paz neste pedacinho de céu.

    Muito obrigada. :)

    Deixo-lhe um beijo no coração. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto de ter por aqui gente bonita, como a Alaska :)

      Outro beijinho :)

      Eliminar
  9. Essa é a maior pérola que temos dentro de nós! A capacidade de ver para além da dor.

    Beijo enorme, Miss Smile :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Palavras certeiras, como sempre, querida Maria!

      Um beijinho “enorme” :)

      Eliminar
  10. E nessa" folha em branco" que dizes e muito bem, ser cada dia que nasce, deixaste que a tua alma escrevesse um desabafo que percorreu distâncias e entrou na minha que sente tantas vezes uma inquietação que não entendo..Mas fui com o passar dos anos, fui aprendendo a não contra isso. A vida causa-nos sofrimentos, grandes, enormes alguns, perdas nos atingem todas elas doloridas. Mas ela tem- me poupado de tudo isso e sorrisos dos filhos, dos netos são muitos, além do meu companheiro que há quarenta e um anos é o meu esteio, o meu suporte. Então por que não pegar na folha e enchê-la de palavras escritas a caneta de todas as cores? Quisera eu saber, amiga!!! Mas, deixei de perguntar, deixei de me inquietar com isso. Sou assim, sempre fui, inquieta, ansiosa, preocupada, achando sempre que não retribuo à vida aquilo que ela me tem dado. Hoje, quando " afastei o edredon" e fui à janela, vi com alegria que o sol tinha nascido e, apesar do muito frio, agasalhei a minha alma com os sorrisos que tinha e lá fui aquecer uma outra alma que me espera toda as quintas e sextas feiras; gosta de se manter jovem, apesar da idade avançada e, tendo por única companhia a televisão sempre desligada ( não dá nada de jeito, diz ela...) é capaz de sorrisos, de conversas alegres que tantas vezes me fazem rir. Quando saio de lá prometo a mim mema que tenho forçosamente de " procurar um novo nome para o meu desejo "
    Querida amiga, dissertei sobre o seu magnifico texto, não por achar que ele precisa de ser completado; está lindo, perfeito e pleno de emoção, de essência. " falei" muito porque a minha alma necessitou de o fazer e não gosto de a contrariar; permito sempre que ela desabafe, sem medos, com sinceridade sempre. Obrigada pela oportunidade que lhe deste de " dizer" o que sentiu ao ler a " folha que escreveste. Um beijinho e sempre muita paz e quietude.
    Emilia

    ResponderEliminar
  11. Corrigindo......com o passar dos anos aprendendo a não lutar...
    Desclpa!!!???
    Bjo
    Emilia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Emília, eu é que agradeço este lindo e sincero comentário! Eu acredito que, quanto maior for a nossa capacidade de acolhimento e hospedagem, mais rica é a nossa vida. Somos peregrinos e, se caminharmos juntos, nenhum caminho será demasiado longo.

      Um abraço

      Eliminar
  12. era isto que eu precisava de 'ouvir', hoje.
    obrigada, Miss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom! Posso, então, retribuir todo o bem que me fazes quando escreves :)

      Obrigada, eu, querida ana

      Eliminar
  13. Cada texto seu, Miss Smile, tem a capacidade de se transformar num espelho mágico em que sempre reconheço um bocadinho de mim, tal como tenho a certeza que cada leitor seu também reconhece um bocadinho de si próprio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos todos filhos da Terra.
      É muito reconfortante sabê-lo.
      Obrigada, Luisa.

      Eliminar
  14. As borboletas chegaram até aqui... :) Obrigada, Miss Smile. Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom, querida Princesa! Que o seu palácio se encha delas :)

      Um beijinho

      Eliminar
  15. Maravilhoso texto de quem é do ramo! Parabéns! O conteúdo muito bom também - de uma psicologia sutil, versátil e ao mesmo tempo lógica, intuitiva e pedagógica. Eis a filosofia - a verdade: uma relação entre a subjetividade e o exterior. Mas tudo é relativo. Emerson disse que a mente e tudo e a gente se torna aquilo que pensa e eu penso que a autora tergiversa, no texto, de seu sentimento, aparentemente. Eu sou mais maluco e entrego-me por inteiro. O texto é lindíssimo, e da alma da autora, quem sabe é ela mesma. Desculpe-me se escrevi demais para dizer que gostei imensamente. Abraço fraterno. Laerte (Silo).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas suas palavras. Mas a vida é que é pedagógica. Todos os dias aprendemos alguma coisa nova. Eu também acho que somos os nossos pensamentos, pois o que importa não é o que nos acontece, mas o que fazemos com aquilo que nos acontece. A existência é uma interpretação. Não somos nós que vivemos no mundo, mas é o mundo que vive em nós.

      Um abraço

      Eliminar
  16. Consegui sentir essa dor aqui mas também a determinação de ultrapassá-la e a alegria de seguir em frente. Que essa nuvem de borboletas atenue a dor e lhe traga alegria MS, Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que importa é avançar e dar um passo a cada novo dia.

      Um beijinho, GM

      Eliminar
  17. . Miss Smile, nem preciso de lhe dizer como os seus textos "mexem" comigo.
    A sua escrita penetra-nos na pele e arrepia-nos.
    Chama-se coragem a esta capacidade de ver borboletas mesmo quando chove.
    Quando eu crescer quero ver o mundo assim .

    Um beijinho para si minha querida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por aquilo que leio de si, querida Fê, acho que já é assim :)
      O mel está sempre presente nos seus escritos e partilhas.

      Um beijinho

      Eliminar
  18. Querida Smilamiga

    Belíssimo texto que não se deve ler porque em primeiro lugar é preciso mastiga-lo para o poder saborear. Só depois de tal trabalho preparatório pode e deve ser lido e consumido e apreciado e entendê-lo na plenitude, na sua essência na sua sublimação.

    Também obriga quem o lê - e é o meu caso - a rememorá-lo trazê-lo de novo à superfície do prazer, distribui-lo como uma hóstia numa qualquer comunhão de pensamentos, mas também de discordâncias.

    Por tudo isto e ainda por mais o adorei e adoro e espero por mais. Mas, ainda aqui deixo transcrito um passo belíssimo que me deixou encantado - Há muito que deixei de medir forças com a vida. Aprendi que não vale a pena lutar contra ela. A vida é uma sombra que se cola a nós. Não é perfeita, mas é nossa Muito e muito obrigado por esta oferta inesquecível.

    A VELHA E O CÃO
    Uma pausa na Saga da Alzira porque acabo de publicar um post diferente – sem ironia, sem galhofa, a atirar para o drama. Por isso, gostaria dos comentários naturalmente também diferentes. Muito obrigado. Como habitualmente a publicação é anunciada blogue a blogue; e o pedido de divulgação, também se agradece.
    Qjs e/ou abçs Henrique, o Leãozão


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Henrique, nem sei o que lhe dizer. Está a exagerar, não está? :)
      De qualquer forma, agradeço as suas efusivas palavras. Não vou esconder que gostei de as ler. Obrigada.

      Um abraço

      Eliminar
  19. Gostei muito do seu do seu texto. Penso como a Miss Smile, só tenho pena de não conseguir escrever da mesma maneira bonita.
    Julgo que a Miss Smile é uma daquelas pessoas que vê sempre o copo meio cheio e segue em frente! Eu também procuro sempre o lado positivo das coisas. Que adianta tornar mais negras as coisas que não são exactamente como esperávamos?...

    Um beijinho e continuação de bom feriado:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo consigo, Isabel. Não vale a pena desperdiçar energias no que não tem remédio.

      Um beijinho e um bom fim de semana :)

      Eliminar