segunda-feira, 13 de março de 2017

De coração para coração



Enquanto bebia um café ao balcão, um senhor de idade, vindo de uma das mesas do fundo, passou por mim com duas pilhas de livros encostadas ao tronco. Fitei-o com curiosidade e, nesse momento, todos os livros caíram com estrépito aos meus pés. Abaixei-me imediatamente para o ajudar a recolhê-los e ele fez o mesmo, com um estalar de joelhos. Os nossos rostos ficaram quase colados um ao outro, numa proximidade algo constrangedora. Notando uma onda de atrapalhação a varrer-lhe o rosto, decidi aligeirar a situação, brincando que os livros eram seres invertebrados e que não se magoavam facilmente. Não foi uma tirada lá muito espirituosa, mas não me ocorreu mais nada para dizer. Um sorriso repuxou-lhe a boca e eu vi que o seu rosto enrugado ficou meia dúzia de anos mais novo. Tinha uns olhos bonitos, luminosos. Os livros eram antigos, tinham as lombadas gastas e as cores das capas estavam desvanecidas pelo tempo e pelo uso. Os títulos deram-me a entender tratar-se de romances de amor.
- São todos para a minha mulher, fui agora buscá-los a casa de uma amiga. - disse-me, levantando a cabeça branca.
- Ela gostava muito de os ler, mas agora já não consegue. Teve um AVC. Passa os dias numa cadeira e já não fala. Agora sou eu que lhos leio em voz alta. Para ser franco, não sei se ela compreende tudo. Mas noto que fica mais calma quando ouve a minha voz.
Levantamo-nos e eu estendi-lhe os livros que acabara de recolher do chão. Ele aconchegou-os junto ao peito e, voltando a agradecer-me, saiu para a rua, apressado. E eu fiquei uns instantes junto ao balcão a olhar para a rua, sem nada ver, afundada nos meus pensamentos. Quando tanta coisa se perde irremediavelmente, é sempre a voz do amor que fala de coração para coração, com uma força que raras palavras teriam.


28 comentários:

  1. "O coração tem razões que a razão desconhece", diz o povo e muito bem. O amor desse homem é infinito.

    Beijos, querida Miss Smile :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta máxima de Pascal refere-se, na realidade, à relação do homem com Deus, ou seja, ao facto de Deus não estar acessível ao homem através da razão, mas apenas através do coração.

      No que diz respeito ao amor eros, não sei se é inteiramente verdade. O amor é uma pulsão, uma atração de energias, mas pode ser também fruto de uma escolha racional.

      Um beijinho, querida Maria :)

      Eliminar
  2. Sorte que tem essa senhora em ter um marido disponível para a poder mimar!
    Foi um bom encontro.
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez seja mais do que sorte, Papoila. O amor que se constrói ao longo de muitos anos tem uma base substancial e um sentido profundo que respira duas vidas interiores envoltas numa ampla unidade de amor. Resulta de uma grande dose de entrega e comprometimento.

      Um beijinho

      Eliminar
  3. Que narrativa tão viva, humana e emocionante!
    Um testemunho de como devemos valorizar o que
    realmente é essencial nesta vida...
    E ser sua leitora é-me realmente importante.
    Beijinho, querida Smile.
    ~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há quem se fique pela casca da vida. Mas há, felizmente, quem nos mostre que, apesar do sofrimento, da doença e da incerteza, a vida só faz sentido se mergulharmos na polpa.

      Um beijinho, querida Majo

      Eliminar
  4. pessoas encantadoras, atraem pessoas encantadoras... lembrei-me, é a lei da atracção, acho eu... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E, então, porque é que achas que te conheci? :))

      Eliminar
    2. Sabias o quê? Que a lei da atração continua poderosíssima (mesmo com a queda da consoante)? :)

      Eliminar
  5. E certamente o marido falou à mulher no encontro/ desencontro dos livros caídos no chão e da senhora que o ajudou a levantá-los. Havera um sorriso no rosto ,talvez, na alma sim da senhora que só ouve e não fala. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seria engraçado se o fizesse. Quem sabe?

      Imagino-o de livro aberto, com o corpo arredondado à volta do romance, a sorrir e a contar à mulher que uma excêntrica lhe disse no café que os livros eram seres invertebrados :)

      Um abraço, Benó

      Eliminar
  6. Há amores que duram e perduram para além da solidão...
    Por certo a senhora, hoje, não tem noção dessa infinita prova de amor, mas enquanto teve consciência do que a rodeava, soube certamente, que o amor do seu companheiro seria para prevalecer em todas as horas. Foi feliz, embora já não se lembre.
    Ainda bem que os livros caíram...:)

    Um beijinho, querida Miss.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como escrevia Rilke, se tivermos vivido um amor feliz e intenso, tornar-nos-emos, mais tarde, guardiões da solidão do outro.

      E, sim, foi muito bom os livros terem caído. Ficamos todos mais inspirados com esta história. Eu é que voltei para casa a coxear :)

      Um beijinho, querida Janita

      Eliminar
  7. uma história triste com um amor bonito... o amor do senhor continua vivo, é tudo o que importa.

    deixo-lhe uma estrela na mão, miss smile. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não houvesse amor, todas as histórias seriam ainda mais tristes, querida Alaska.

      E eu deixo-lhe um cardume de estrelas no coração :)

      Eliminar
  8. Respostas
    1. Manel, vai por mim. Eu, que ainda sou do tempo dos dinossauros, asseguro-te que isso mudará quando a “Miss Right” chegar! E ler poesia em voz alta faz bem ao amor… :)

      Eliminar
  9. Sempre sublime, Miss Smile.
    Sensibilidade única!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Uma história triste mas ao mesmo tempo reconfortante de se ler.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O amor é também um corrimão que serve de amparo e define um rumo nos momentos mais difíceis.

      Eliminar
  11. que lindo coração, este.

    beijinho Miss Smile

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é. O coração é um músculo - quanto mais exercitado, mais força tem :)

      Um beijinho, Laura

      Eliminar
  12. O amor é assim
    Pelo menos pra mim
    Kis :=}

    ResponderEliminar
  13. E é disso mesmo que todos os livros que carregava falam, se falarem de amor. Disso que ele faz ao ler para a mulher, mesmo não sabendo se ela entende tudo o que ouve, ouve de certeza o que o amor entende - a voz de quem se ama traz tudo, não é? Tudo o que se pode remediar e consola o que não tem remédio.
    As vezes o meu coração sente falta de vozes que entenda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem a certeza de que ela saberá reconhecer o amor na voz dele.
      E todos os corações sentem falta de vozes que os entendam.

      Boa noite, Olvido

      Eliminar