sábado, 11 de março de 2017

Memória

O que busco na memória é a luz que vi
e que não sabia que havia visto.


12 comentários:

  1. À distância do tempo, a luz tem, por vezes, um brilho diferente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todas as formas são transitórias.

      Um sábado feliz, Luisa :)

      Eliminar
  2. O que importa, minha bonita Miss, é que ela está lá, a brilhar no escuro. :)

    Deixo-lhe um beijo coração. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bela surpresa, querida Alaska! O que fica é a luz que guardamos dentro de nós quando todas as outras se apagam.

      Um beijinho com saudades :)

      Eliminar
  3. Periclitante
    BFSemana
    Kis :=}

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A periclitância do que não se esgota nunca.

      Um bom fim de semana, AvoGi :)

      Eliminar
  4. Há luzes que o tempo reaviva, outras; esbate.

    Beijinho, querida Miss e Bom fim de semana. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas nem sempre é linear. Por vezes, o que ficou esbatido pode voltar a reacender-se. São os labirintos insondáveis da memória :)

      Um beijinho, querida Janita, e continuação de um excelente domingo :)

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Sempre...

      As memórias podem ser uma excelente companhia. Então se forem confortáveis como aquilo que tu sabes à Bridget Jones. Uma maravilha! :)

      Um beijinho, lindinha :)

      Eliminar
  6. Há coisas que, no momento errado, nos escapam, qual aquosa substância, por entre os dedos...
    Muito bom!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E mesmo nos momentos certos, há tanta coisa que nos escapa e que nos escorre por entre os dedos...

      Obrigada, AC :)

      Eliminar