quinta-feira, 16 de março de 2017

Palavras que não salvam



E há palavras que são lançadas como pedras. Atraídas pelo abismo, começam a rolar, lentamente ao princípio, mais rapidamente depois, vertiginosamente por fim. Rolam, saltam penedos, esmagam, destroem tudo à sua passagem impetuosa até que encalham violentamente na lama viscosa de um vale sombrio. Depois, fica apenas o vazio, a imobilidade e o barro que acaba por se desfazer.


26 comentários:

  1. voam irrevogáveis, as palavras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatalmente irrevogáveis, Impontual.

      Eliminar
  2. Culpa de quem as lança. Pobres palavras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Devia de ser inventado um airbag para as palavras.

      Eliminar
  3. E tão boas que elas podem ser! Um desperdício, usá-las dessa forma!

    Beijos, querida Miss Smile :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E depois já não podem ser recicladas.

      Um beijinho, querida Maria :)

      Eliminar
  4. Não vim a tempo de comentar o post anterior, ou melhor, deparei-me, agora, com outro 'feito' de palavras. Se o anterior me lembrou Eugénio de Andrade, mais me lembra este. Creio que teria sido a pensar numas e noutras que Eugénio escreveu, as palavras que a minha querida amiga bem conhece:

    São como um cristal,
    as palavras.
    Algumas, um punhal,
    um incêndio.
    Outras,
    orvalho apenas.
    (...)

    Serão de orvalho, as anteriores, e estas, exemplos de punhais e fogos destruidores.

    Um beijinho, querida Miss Smile. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. “Quem as escuta? Quem
      as recolhe, assim,
      cruéis, desfeitas,
      nas suas conchas puras?”

      Um beijinho, querida Janita :)

      Eliminar
  5. Sim, há palavras que são setas e quando atiradas vão certeiras para o alvo escolhido. Mais valia fechar a boca.

    ResponderEliminar
  6. Sabes que essas palavras, tem o poder de fortalecer que é agredido por elas.
    As muralhas e os pontões de pedra e de aço tem a capacidade de lhes amortecer o choque do embate.
    Ó silêncio é sempre a melhor estratégia de defesa e combate.
    Beijinho grande.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O silêncio, como tu referes, é o argumento mais forte.

      Um beijinho, querida Sandra

      Eliminar
  7. Há palavras que nos ferem mais do que actos, arrasam-nos por completo, principalmente quando são proferidas por pessoas que nos são próximas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rita, essas são verdadeiros espinhos que se enterram no coração.

      Eliminar
  8. Excelente metáfora, querida amiga!
    Eu apenas a barro, acrescentaria, ensanguentado.
    Monstrinhos terríveis e temíveis, que devem ser guardados
    a sete chaves e dos quais nos devemos colocar a salvo.
    Grande abraço, Smile.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E são mesmo terríveis e temíveis…
      E eu agradeço a sugestão, querida Majo :)

      Um beijinho

      Eliminar
  9. Palavras levadas pelo vento.
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E pelo peso da gravidade…

      Beijinho, Pedro, e bom fim de semana

      Eliminar
  10. Boa tarde, há pedras que magoam menos que as palavras, quando não se consegue controlar as palavras ditas por quem magoa, o melhor é ignorar as mesmas.
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso, AG, temos de definir uma fronteira e não deixar entrar as que nos magoam.

      Eliminar
  11. Parole parole parole...Ainda me arrepio quando ouço está canção. É tão forte
    Por isso palavras são só palavras....
    Kis :=}
    BFSEMANA

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As palavras são sempre mais que palavras…

      Um beijinho, AvoGi

      Eliminar
  12. A nós cabe esquivar-nos a esse desiderato, sempre a tomar notas da lição, não vá a memória trair-nos. E como ela nos trai, por vezes...!
    Em grande, Miss Smile!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, AC.

      Um beijinho e obrigada :)

      Eliminar