15/02/2018

Pássaro negro





A porta fecha-se com um baque surdo, que enche o corredor escuro. Faço por acreditar que não é a escuridão que me acompanha. É apenas outro tipo de luz, turva e trémula, que me deixará ver se eu arranjar olhos diferentes. Com o coração é que já não vejo. Dentro do peito, já só tenho um céu noturno onde vive um pássaro negro, grande e pesado, que paira sobre as nossas cabeças e nos observa com uns olhos vermelhos de tristeza.