27 de outubro de 2020

Só um beijo


 

16 de outubro de 2020

O tipo de relação

Maria Marta era uma mulher de cabelos grisalhos, grandes olhos vagos e poucas falas. Pensativa, com o olhar pregado na janela, enchia dias de vida com diálogos silenciosos com as árvores do jardim. Talvez desejasse preservar o que nunca mais se repetiria - a nostalgia é muitas vezes um lugar seguro que também aquece por dentro – ou talvez sentisse a falta de outra mão na sua mão. Mas o mundo, por vezes, dá uma volta rápida sobre si mesmo, e alguém que julgamos adormecido, vestido de uma rigorosa viuvez, está afinal a acumular forças para o que ainda não sabe. Os mais próximos começaram a notar-lhe gestos mais largos e vibrantes, que a impeliam para saídas e passeios mais frequentes. Os filhos, observando a forma como derramava mais ternura sobre os netos, como se vestia com mais esmero e se comovia nos filmes de apaixonados dos domingos à tarde, faziam conjunturas, ávidos por descobrir aquele segredo. Num dos primeiros dias de outono, no fim de um almoço de família, a mãe contou-lhes tudo. Conhecera uma pessoa especial cujas qualidades de caráter a distinguiam de todas as outras. Os filhos, agitados com a novidade, tentando esconder o pudor - ou talvez a relutância – ao mesmo tempo que perscrutavam ansiosamente o rosto da mãe, perguntaram se tencionava refazer a sua vida ou até casar e receber as bênçãos do céu. Afinal, que tipo de relação era? Era séria? Era amor? Perante aquela pressa em obter uma resposta, Maria Marta começou por estender silêncios entre as perguntas, deixando os olhos, agora vivos e doces, perderem-se demoradamente no verde das folhas. Depois, talvez desejando preservar esse lugar de si, ou sublinhar que tudo é caminho andante, acabou por responder, com um rubor fresco inscrevendo-se em cada milímetro do rosto, que se tratava de uma relação de esperança.

[Quando me contaram a história de Maria Marta, que naturalmente tem outro nome, não pude deixar de pensar que ela, em poucas palavras, resumira a essência de todas as relações humanas: a esperança.]

12 de outubro de 2020