20 de novembro de 2020

Atalhos de Campo

Ela é para mim um amor antigo e um amor sempre recente. Para ela tenho sempre a mesa posta e a luz acesa. Tenho água fresca e palavras por dizer. Gosto muito dela e dos seus atalhos. O seu regresso faz-me acreditar que a história pode repetir-se, que há sempre algo que permanece quieto numa qualquer dobra de tempo. Há blogues que são música de volta à vida. São feitos de jardins quietos e borboletas desassossegadas, melodias e espantos, sopros e tinta no papel do coração. Para mim, o dela é assim.

 


 

13 comentários:

  1. Um dia pude ver a cor dos teus olhos, mas agora penso que ainda mais precioso do que isso foi poder ver o teu sorriso com o mar ao fundo. Os blogues têm destas coisas, esparramam-se na alma a descoberto. E pronto, aqui me tens e terás, sempre grata pela nossa amizade, que se fez pelos atalhos aventureiros da escrita, e que um dia teve a mesa posta e a luz do sol acesa.

    ResponderEliminar
  2. É isso mesmo. Se quiseres conhecer um amigo, escolhe uma mesa posta com o mar ao fundo e a luz do sol acesa. É assim que o mundo fica sem horas.

    Numa próxima vez, quando tudo isto passar, convidamos o Manuel Hilário e brindamos em copos de cristal. :)

    ResponderEliminar
  3. Que lindas meninas as duas que já viram os olhos uma da outra:)
    Sabem que também estão no meu coração, esse músculo elástico...
    Só tenho pena de terem quase sempre os comentários fechados, mas compreendo que não estejam para nos aturar...e mais as nossas conversinhas:)
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem sabe, um dia ainda reservamos uma mesa para três :)

      Eliminar
  4. Mas as paredes deste blogue não são assim tão grossas que impeçam a amizade de entrar. :) A CC é também uma das pessoas da blogosfera a quem eu um dia gostaria de dar um abraço.

    Quanto à caixa de comentários fechada, peço que não o tome de forma pessoal. Eu sei que esta divisão acolheu em tempos um respeitável salão de chá e tisanas, e que a caixa de comentários fervilhava de luz, vozes e risadinhas femininas, na crença de que havia tradições capazes de durar toda a vida...
    Tenho saudades desses tempos e estou grata a todos os que por aqui passaram. Prometo que vou pensar no assunto. :)

    ResponderEliminar
  5. Querida Smile.
    Gostei do que li e ouvi...
    Também tenho saudades daquele tempo de grandes trocas de impressões e cumprimentos!
    Tantas coisas passaram entretanto! Eu até perdi o receio de expor-me e comecei a escrever poesia...
    Agradeço muito a sua participação na festinha do meu aniversário. Foi uma ótima surpresa.
    Tenho esperança que um dia volte a ser como dantes e que eu possa acompanhá-la.
    Muitas felicidades par si e seus. Tudo pelo melhor. Carinhosos abraços.
    ~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foram bons tempos, sim. Agora o bule perdeu a tampa, as chávenas de chá estão desalinhadas no aparador e as mesas despidas de castiçais e de toalhas de linho adamascado… :)

      Mas há também coisas bonitas a acontecer, não é verdade? Como a Majo ter começado a escrever poesia, perdendo o receio de expor a sua sensibilidade. A poesia é um dos mais bonitos encontros que existem, com os sonhos, a vida e os seus acasos.

      Um abraço, querida Majo. :)

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Quando ouvi um familiar ressoar de saltos altos no chão encerado do salão, deduzi logo quem estava a chegar. E não me enganei. :)

      Olá, Bea. :)

      [Gosto muito da sua escrita plena de afetividade e inteligência.]

      Eliminar
  7. Entro de fininho nesta caixa de comentários, feliz por encontrar reunidas aqui três das vozes blogueiras que mais aprecio.
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era o que mais faltava a Luisa entrar aqui de fininho! Se bem me recordo, é uma das madrinhas da Miss Smile. Portanto, a Luísa é da casa, é praticamente sócia deste estabelecimento. :)

      [E o gosto e o apreço são recíprocos.]

      Eliminar
  8. tanta mulher bonita por aqui!

    ResponderEliminar